CHEGA/AÇORES QUER “FISCALIZAÇÃO MAIS EFETIVA” NO RENDIMENTO SOCIAL DE INSERÇÃO

O deputado da representação parlamentar do Chega, na Assembleia Legislativa dos Açores, José Pacheco, exigiu esta quinta-feira, ao Governo dos Açores, a “adoção de uma estratégia eficaz de combate à pobreza”, que na visão do Chega, tem que passar “obrigatoriamente”, por uma “fiscalização mais efetiva” aos beneficiários do Rendimento Social de Inserção (RSI).

Citado em nota, José Pacheco intervinha, na Comissão de Assuntos Sociais da Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores, numa audição ao vice-presidente do Governo Regional no âmbito das propostas de Plano e Orçamento da Região para 2022, onde sublinhou, que poderá estar em causa, o apoio do Chega à atual solução governativa.

José Pacheco recordou ao vice-presidente, que “a redução do número de beneficiários do RSI nos Açores”, faz parte do acordo que o Chega tem com o Executivo da coligação PSD/CDS-PP/PPM, sendo, por isso, “uma matéria que estará sempre na ordem do dia até que se vejam resultados práticos”.

Na sua intervenção, o parlamentar de direita, defendeu que as “ações inspetivas servirão não só para averiguar quem, efetivamente, precisa deste apoio mas, essencialmente, para identificar quem não precisa deste rendimento, podendo esta verba ser reencaminhada para os que verdadeiramente dela precisam”.

“A prova de que o Chega tem razão está nas 139 irregularidades detetadas pelo Governo Regional em 195 Rendimentos Sociais investigados e que levaram à cessação desta prestação social ou à revisão da mesma, alterando-se os respetivos valores”, assinalou.

Neste sentido, avançou, “precisamos de mais inspetores no terreno”, adiantando que, claramente, “os existentes são manifestamente insuficientes”.

“Esta é uma matéria que o CHEGA não vai abrir mão”, avisou o parlamentar, adiantando que irá apresentar uma Proposta na Assembleia Legislativa Regional tendo em vista aumentar as equipas inspetivas no terreno.

José Pacheco defendeu ainda que, “com a redução do número de beneficiários, estaremos a combater os falsos pobres e alguma economia paralela e, ao mesmo tempo, a contribuir para a redução da falta de mão-de-obra em alguns sectores como o agrícola, pescas, construção civil, hotelaria e restauração, entre outros”.

© GC-CHEGA | GC-CHEGA | PE

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s