CONGRESSO(S)

João Vasco Costa

Lá e cá os maiores partidos da oposição (PSD e PSD/A) assemelharam-se nos discursos finais. Um conjunto vazio de proclamações sem nenhuma proposta digna de registo. Cá foi um somatório das declarações políticas e lamúrias habituais com as contradições à mistura. Para quem propala a quatro ventos o mau estado das finanças da Região, promete, em simultâneo, baixa de tarifas aéreas interilhas e baixa dos impostos do IVA e do IRC. Depois foi “copiar”, como é usual, a frase da congressista ausente Berta Cabral, “um euro na mão dos açorianos é mais útil do que no bolso dos governos”. Elogio em boca própria é vitupério, como parece ser repetir até à exaustão as próprias virtudes da humildade, do diálogo, mesmo com a manha da fala mansa. O resto foi falar para 10 anos, fugindo a compromissos de legislatura como já o tinha feito na autarquia de Ponta Delgada, onde ganhou mas, quem perdeu durante sete anos foi Ponta Delgada com a sua inoperância. Um mau presidente de Câmara dificilmente seria um bom presidente de Governo. No Congresso nacional, depois de confundir, delirantemente, a matriz ideológica do Partido Socialista com o comunismo, para tentar ocupar “o centro perdido”, Rui Rio priorizou as eleições autárquicas. Autonomia foi assunto menor. Deixou de ter um Vice-Presidente açoriano. Rio e Bolieiro pensam que assim se afastam do caso da exclusão de Mota Amaral da lista do partido ao Parlamento Europeu, ou das célebres e tristes afirmações de que “os Açores não valem mais do que 12 mil votos” e “Não é uma fortuna”… Antes do galo cantar 3 vezes já voltarão a exultar as virtualidades da Autonomia. Porém, só quem não acredita na vitória das regionais não integra ninguém nos órgãos nacionais do PSD (só um eleito do PSD/Açores), dispensa o VP açoriano, pois assim pensa distanciar-se da 1ª derrota neste ano e focar-se nas autárquicas que elegeu como prioridade. Assim, ampliando o que os governos socialistas já estão a fazer, ou sem propostas concretas, os Congressos do PSD foram elucidativos e cheios de contradições insanáveis, isto é, uma mão cheia de nada.

João Vasco Costa
Deputado do PS na ALRAA

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s