OS “SOBRECUSTOS” DAS FLORES

À hora que escrevo, ainda se debate e se partilham imagens dos efeitos da passagem da tempestade “Efrain”, na ilha das Flores, mais concretamente no porto comercial das Lajes das Flores.

Ninguém esquece o ano de 2019, em que a passagem do furacão Lorenzo causou prejuízos avaliados em 330 milhões de euros, sendo a maior parte desse valor referente à destruição do único porto que permite o abastecimento, via marítima, às Flores. Foram dias de muitas incertezas e de desespero para uma população que se via, novamente, na obscuridão de viver na periferia da ultraperiferia.

As condições atmosféricas nunca deram tréguas ao grupo ocidental, mas as marcas que deixam são cada vez mais profundas e com maior influência na dinâmica sócio económica, destas ilhas.

Romantizar o dia-a-dia nas Flores é fácil. Difícil mesmo é gerir a vida onde tudo tarda em chegar. Onde a saúde fica, muitas vezes, à distância de uma evacuação; onde os bens essenciais ficam a milhas da costa, devido à ondulação que impede a atracagem do navio que lhes faria chegar o abastecimento por 15 dias; onde a mobilidade fica dependente do cruzamento de ventos, na pista.

Sabemos bem, até pela experiência que temos, que obras nas orlas costeiras são imprevisíveis, no entanto, passados 3 anos sob a passagem do “Lorenzo”, as obras naquele porto assemelham-se às “obras de Santa Engrácia”. Entre estudos, projetos (que afinal não são projetos), imagens e valores que aumentam e diminuem, a verdade é que o molhe principal já deveria estar a ser construído, quando nem o lançamento do concurso foi feito.

Não é necessário ser técnico para perceber, pelas imagens, que depois do molhe ser destruído, o mar entrou sem qualquer resistência e que a mínima ondulação condicionará a operacionalidade, pois para o navio operar na ponte cais terá de estar bom tempo…muito bom tempo.

Não sabia o Governo Regional que, no caso de tempestade, este porto ficaria com a sua baía exposta e que afetaria o abastecimento à ilha das Flores?

Berta Cabral já fez saber que o abastecimento à ilha não se encontra em risco. Diz a Secretária que o mesmo será feito por via marítima ou por via aérea. Mas, não sem antes ter sublinhado a palavra “sobrecustos”. Não houve uma palavra de solidariedade para aquelas pessoas que, arriscando a sua vida, impediram maiores prejuízos, nem para a população residente que vive com receios. Houve sim, a palavra “sobrecustos”.

O facto de termos um governo tripartido, com interesses e egos pessoais que se sobrepõem aos interesses da população, preocupa-me. Muito. Não vejo em nenhum dos partidos, que sustentam este governo, uma real preocupação com as e os residentes nas Flores.

Recordo-me bem das Flores no tempo de Mota Amaral. Estas memórias atormentam-me, pois sei, “na pele”, o que representa as Flores para a direita.

Alexandra Manes
Dirigente do BE/Açores