TÉCNICA E ÉTICA

Quem, o quê, quando e onde continua uma fórmula importante para conferir uma notícia. E não podemos descurar nenhum destes elementos básicos das notícias, em especial nestes tempos de desinfomação.

Regresso a estas noções básicas do jornalismo relendo o “Manual de Jornalismo” de Ricardo Cardet que a Organização Internacional de Jornalistas publicou, em Castelhano e que o jornalista Armando Pereira da Silva traduziu para Português.

Esta versão em língua portuguesa é um dos meus primeiros livros sobre jornalismo e foi por mim adquirida, em Junho de 1977, mês em que foi editada pela Caminho e ano em que iniciei a minha actividade de jornalista profissional.

Acresce ser uma versão traduzida e prefaciada por Armando Pereira da Silva (1940-2022), jornalista português de referência que recentemente nos deixou, deixando obra escrita, no jornalismo e na literatura.

O tradutor para Português cita no prefácio ao manual que traduziu uma frase de Cardet que merece ser também aqui sublinhada – “O erro mais grave em jornalismo é dar notícias com dados inexactos, porque uma informação errada é mentira pública”.

A batalha pela verdade na informação passa pela técnica e pela ética jornalísticas, pilares seguros para suportar a recusa à divulgação de informações equívocas ou que se baseiem em dados não rigorosamente confirmados.

Claro que é preciso saber bem o que é uma notícia (“um facto actual com interesse geral”, na definição sintética de Cardet) e aceitar que toda e qualquer informação que não tenha actualidade ou não tenha interesse geral deixa de poder ser apresentada como notícia.

É interessante ler neste manual algumas considerações que mantêm grande actualidade meio século depois de terem sido apresentadas – não há qualquer verdade no conceito, classificado de execrável, de “vender papel a qualquer preço”, ou seja, na solução da especulação e sensacionalismo informativos. Quem diz vender papel diz vender “gostos” ou “cliques” ou garantir audiências televisivas ou radiofónicas, números essenciais para a captação de publicidade, uma das eternas condicionantes da própria Imprensa. Dúvidas e certezas que devem ser permanentemente equacionadas na hora de defender a verdade na informação.

Júlio Roldão
Jornalista desde 1977, nasceu no Porto em 1953, estudou em Coimbra, onde passou, nos anos 70, pelo Teatro dos Estudantes e pelo Círculo de Artes Plásticas, tendo, em 1984, regressado ao Porto, onde vive.


Artigo ao abrigo do projeto:

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s