AÇORES CLASSIFICAM-SE EM SEGUNDO LUGAR NOS “JOGOS DAS ILHAS — BALNEARES 2022”

A Região Autónoma dos Açores classificou-se na 2.º posição do pódio na XXIV edição dos “Jogos das Ilhas – Baleares 2022”, que decorreu de 24 a 29 de maio, em Cálvia, nas ilhas Baleares.

A comitiva dos Açores integrou atletas das ilhas Pico, São Miguel, Terceira, São Jorge e Faial, que competiram em oito das 13 modalidades que fizeram parte integrante do quadro oficial da edição deste ano, nomeadamente: Atletismo, Futebol, Judo, Karaté, Natação, Ténis de Campo, Ténis de Mesa e Vela.

Participaram nestes jogos sete regiões que são membros do COJI (Comité d’organisation des Jeux des Iles), a entidade organizadora do evento.

Em nota de imprensa divulgada este domingo no site do Governo, o secretário regional da Saúde e Desporto, Clélio Meneses, enalteceu a “extraordinária participação” dos Açores nestes jogos.

“Os 77 atletas açorianos, técnicos e demais membros da comitiva dignificaram a nossa Região e deram mais um passo determinante para a relevância desportiva assente no trabalho e na capacitação de talentos”, afirmou, citado na referida nota, o titular da pasta do Desporto na Região.

“Verificaram-se resultados relevantes em cada uma das modalidades que permitiram a obtenção de recordes pessoais ou a conquista de pódios”, salientou Clélio Meneses.

Segundo o governante, esta é mais uma “janela de oportunidades” que permite estimular e promover o desenvolvimento motor e a capacitação competitiva dos jovens açorianos.

“Com o desenvolvimento dos novos projetos já implementados serão, certamente, asseguradas as condições para que os nossos jovens se afirmem com sucesso no exterior da Região”, adiantou Clélio Meneses.

Os “Jogos das Ilhas” têm o objetivo de criar um espírito de cidadania europeia, no contexto do ideal olímpico, que permita transmitir às camadas mais jovens, através do Desporto, uma mensagem desportiva fundamentada no ‘fair play’ e no respeito pelo seu semelhante, possibilitando ao mesmo tempo o encontro entre jovens de origens diferentes, mas com a insularidade como ponto comum.

© GRA | Foto: SRSD/GRA | PE