JUNHO TRAZ AO PALCO DO COLISEU MICAELENSE “NINGUÉM”, CUCA ROSA E “LET´S PLAY?”

O palco do Coliseu Micaelense recebe a 3 de junho, às 21h30, a peça de teatro “Ninguém”, com António Capelo, a 10, às 21h30, o concerto da fadista Cuca Roseta (Tour Açores no Coração) e a 18, à mesma hora, “Let’s Play?”, do Estúdio 13 com coreografia de Maria João Gouveia (dança, com plateia em formato arena).

Com uma carreira de 45 anos de teatro, António Capelo estreou o seu primeiro monólogo no Auditório do Teatro do Bolhão, projeto artístico de que é um dos fundadores e diretores.

Para o autor Zeferino Mota, dramaturgo residente da companhia, “Ninguém” constrói-se articulando o percurso artístico de António Capelo com múltiplas vozes autobiográficas de atores que, ao longo dos últimos 200 anos, nos falam das suas inquietações, do modo como olham e são olhados e mesmo dos incontornáveis estereótipos da profissão, como o estatuto marginal, a intensidade ou a imagem boémia.

À semelhança “de quem vive e canta no mau tempo”, o espetáculo estrutura-se como uma confissão que celebra o teatro em tempos conturbados, mas também a sua memória encantada, os seus traços de identidade, a sua força de resistência numa sociedade em que todos têm direito a ser Alguém.

Ninguém conta com a participação de uma equipa criativa de referência que, integral ou parcialmente, se vem reencontrando nos projetos da companhia ao longo da última década – Cátia Barros na Cenografia e Figurinos, Luís Troufa na Imagem e Mário Bessa no desenho de Luz.

A banda sonora é da autoria do renomado músico brasileiro Andre Abujamra, cantor, compositor e maestro que está nomeado para o Grammy Latino 2021 como Melhor Álbum de Rock ou de Música Alternativa em Língua Portuguesa, com o trabalho Emidoinã – Alma de Fogo.

Quanto ao concerto de Cuca Roseta, é o último da Tour Açores no Coração. A fadista trará ao nosso palco o repertório do seu último álbum “Meu” e irá convidar um artista local para participar.

Nove concertos. Um por cada ilha do arquipélago dos Açores. Este foi o itinerário de Cuca Roseta. A fadista percorre as nove ilhas com um espetáculo em cada. A digressão, que se faz com o apoio da Açoreana (que comemora 130 anos), permite que as receitas de cada concerto sejam totalmente revertidas para uma entidade de cada ilha.

“Let’s Play?” é um espetáculo que parte de jogos tradicionais, não tradicionais e representa uma exploração da relação entre o corpo e o jogo, entre as regras e a liderança. LET’S PLAY? > Um lugar. Um líder. Um desafio. Um jogo.

Tem por objetivo incentivar e formar os alunos com aptidão para a dança contemporânea e que apresentem objetivos ao nível da profissionalização.

O trabalho é desenvolvido por coreógrafos convidados trimestralmente, permitindo assim aos alunos o contacto com diferentes estilos e propostas de movimento.

Uma jovem companhia de dança com objetivos muito para além de um atelier coreográfico, com elevados níveis de empenho exigidos aos seus participantes, assim como a procura da possibilidade de circulação para apresentação dos trabalhos criados.

Depois da audição, a primeira apresentação ficará sob a orientação da bailarina, coreógrafa e professora Maria João Gouveia.

© CMP | Cartazes: CMPD | PE