O QUE SE DIZ E O QUE SE FAZ

Alexandra Manes

A situação causada pela pandemia de Covid 19 e a crise social e económica decorrente acirraram um aumento significativo do número de pessoas em situação de pobreza e em pobreza extrema, sendo a pobreza infantil, um problema estrutural nos Açores que tende a agravar-se.

O fenómeno da pobreza tem maior incidência nas crianças e jovens que vivem em famílias numerosas e em condições habitacionais precárias.

O empobrecimento das famílias é condição de pobreza das crianças. Este fenómeno caracteriza-se, ainda, pela exclusão social e pela desigualdade, com o acentuar de insucesso e abandono escolares, o que já é marca negativa  na nossa região.

Na última crise social e económica, causada pelos desmandos financeiros internacionais, foram as populações mais vulneráveis, de menores rendimentos e em situação mais precária que sentiram de modo muito severo os efeitos da crise e da austeridade que se lhe seguiu, resultando, em muitos casos, a ausência de saúde relacionada diretamente com as carências alimentares e a habitação precária.

O Bloco de Esquerda propôs no Orçamento da Região para 2021 políticas consistentes de apoio à família e de combate à pobreza infantil: manuais escolares gratuitos para o 1.º ciclo do ensino básico, aumento do complemento açoriano ao abono de família, entre outras.

É importante deixar claro que a proposta apresentada pelo Governo Regional, tão propalada, relativa ao aumento do complemento açoriano ao abono de família foi menor do que 1 euro…menos de 1 euro!

O Bloco de Esquerda apresentou uma proposta de alteração para que o montante do complemento açoriano ao abono fosse fixado em 30€, que corresponderia ao 1.º escalão, 90% ao 2.º escalão, 80% ao 3.º escalão e 75% ao 4.º escalão.

Que fizeram os partidos de direita? Votaram contra! Pretendem acabar com a pobreza, mas face a uma proposta que poderia ajudar, nesta fase tão atípica, votam contra! Estamos a falar dos pobres dos mais pobres!

Para um governo que enche o peito quando se refere à pobreza e aos mais vulneráveis, da nossa região, deixa muito a desejar no que diz respeito à pobreza infantil.

Menos de 1 euro de aumento ao complemento açoriano ao abono…retenham esta grande medida, do Governo Regional dos Açores,  para ajudar às maiores vítimas da pobreza: crianças.

Alexandra Manes
Deputada do BE na ALRAA

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s