COVID-19: ILDA CONCEIÇÃO, 98 ANOS, FOI A PRIMEIRA UTENTE VACINADA NA ILHA TERCEIRA

O relógio ainda não tinha batido as 10:00 quando Ilda da Conceição, 98 anos, uma das utentes mais velhas do Centro Social de Idosos de São Francisco Xavier, na freguesia do Raminho, concelho de Angra do Heroísmo, foi a primeira idosa a ser vacinada contra a COVID-19 na ilha Terceira.

“Quase nem senti. Não me dói nada”, disse, acrescentando que foram os filhos que tomaram a decisão.

Esta quinta-feira, 31 de dezembro, último dia de 2020, arrancou, oficialmente, no Centro Social de Idosos de São Francisco Xavier, na freguesia do Raminho, concelho de Angra do Heroísmo, a vacinação contra a COVID-19 de utentes e funcionários, que lhes vem trazer algum “alívio”.

“Estamos muito felizes por terem começado por aqui. Vai ser um alívio para nós saber que os utentes e as funcionárias foram vacinados. Era uma preocupação grande. Vivemos estes meses todos nesta angústia e nesta incerteza”, avançou, em declarações aos jornalistas, João Gil, presidente da instituição.

O relógio ainda não tinha batido as 10:00 quando a primeira utente foi vacinada e menos de uma hora depois já as duas enfermeiras se preparavam para rumar ao próximo lar de idosos, na freguesia vizinha.

No último dia de 2020, a vacina contra a covid-19 deverá chegar a utentes e funcionários de cerca de 80% dos lares de idosos da ilha Terceira.

Neste lar de uma das freguesias mais rurais da ilha vivem 15 utentes e trabalham 11 funcionários. Quase todos aceitaram ser vacinados.

“Apenas uma funcionária não aceitou por problemas de alergias e uma outra já teve covid-19. Dos idosos, apenas uma senhora de 105 anos, a família achou melhor não ser vacinada”, revelou João Gil.

O centro social de São Francisco Xavier conseguiu, até agora, evitar a entrada do novo coronavírus na instituição. Apenas uma funcionária adoeceu, mas quando estava de férias.

O presidente da instituição espera, no entanto, que a vacina possa permitir em breve um alívio das medidas mais restritivas, que têm afetado os idosos.

“Estamos mais confiantes de que os idosos estão protegidos e de que em pouco tempo as famílias os possam visitar, com mais assiduidade, o que não tem acontecido, e que até os idosos possam sair, porque eles estão metidos nesta prisão desde março deste ano que está a acabar”, salientou.

Carlos Xavier, que partilha o nome da instituição, viu nesta vacina um sinal de esperança.

“Foi um bem de Deus. Precisava era que toda a gente lutasse contra esta pandemia”, adiantou, aos microfones dos jornalistas.

Há “muitos anos” que o reumatismo o afeta e o obriga a estar preso a uma cadeira de rodas, mas não se queixa, nem do isolamento que a pandemia impôs.

“Primeiro estranhei, mas estou aqui muito bem. Seja pelo amor de Deus, estou aqui muito bem acompanhado. Não me falta nada”, reiterou.

O início do processo de vacinação na freguesia do Raminho teve um caráter simbólico, segundo o vice-presidente do Governo Regional dos Açores, que tutela a Solidariedade Social, Artur Lima.

“Quis dar o sinal de vir aqui, porque a proteção começa pelos mais pequeninos, pelos mais frágeis e pelos mais debilitados”, explicou.

Enquanto no resto do país, a vacinação começou pelos profissionais de saúde, nos Açores, arrancou nos lares de idosos, em simultâneo nas ilhas Terceira e São Miguel, as duas em que já foi detetada transmissão comunitária do novo coronavírus.

“Os nossos idosos cuidaram muito bem de nós e nós temos a obrigação, o dever ético e moral de os proteger e de os tratar bem. É com esse espírito que o Governo Regional decidiu, em Conselho de Governo, que a prioridade seria dos mais frágeis, dos mais debilitados, que necessitam de proteção”, justificou Artur Lima.

O primeiro lote de vacinas da Pfizer-BioNTech, com 9.750 doses, chegou na quarta-feira à noite aos Açores e vai permitir vacinar 4.875 pessoas.

Segundo o vice-presidente do executivo regional, a maioria dos utentes e funcionários aceitou ser vacinada, ainda que alguns tenham manifestado dúvidas, que foram esclarecidas pelas unidades de saúde de ilha.

“Organizar o consentimento informado de quase 3.000 pessoas não é fácil, porque vão ser vacinados quer os utentes dos lares, quer os funcionários dos lares para a proteção ser o mais elevada possível”, frisou, ressalvando que o processo “correu excecionalmente bem”.

Artur Lima anunciou ainda que no início de 2021, “o Governo Regional vai implementar um programa de formação de gestão de surtos nos lares e estruturas residenciais para idosos”.

© Lusa | Foto: jedgardovieira | PE

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s