NA HORA DE PRATICAR ATIVIDADE FÍSICA, OS OMBROS E JOELHOS SÃO DOS QUE MAIS SOFREM

Praticar atividade física é uma das recomendações mais importantes para um estilo de vida saudável, contribuindo para um corpo e mente sãos, mas é preciso fazê-lo em segurança, evitando lesões. Entre as mais comuns encontram-se a rotura do ligamento cruzado anterior do joelho e a instabilidade recidivante do ombro e, que por vezes, levam à necessidade de intervenções cirúrgicas.

Bárbara Campos, Ortopedista e Coordenadora de Ortopedia das Clínicas Joaquim Chaves Saúde, explica que estas “são ambas lesões traumáticas: a rotura do ligamento cruzado anterior resulta de uma entorse do joelho e a luxação recidivante do ombro de movimentos de abdução e rotação externa forçados. São comuns no contexto de desportos de contacto, com quedas sobre o membro superior. Muitas vezes há a necessidade de uma intervenção cirúrgica quer numa, quer na outra, para restabelecer a anatomia e para permitir poder continuar a praticar a atividade desportiva”.

A boa notícia é que, em ambas as situações, as cirurgias são minimamente invasivas, feitas através de artroscopia, uma técnica “menos agressiva, possibilitando um pós-operatório menos doloroso” e um período de internamento curto. Porém, a especialista refere que, no que respeita à recuperação, o período “é relativamente longo, geralmente até aos seis meses após a cirurgia”.

Atualmente, no caso da luxação recidivante do ombro, a operação de Latarjet é “um tratamento extremamente eficaz”. Apesar de não ser uma cirurgia nova (tendo sido, inicialmente, descrita por Michel Latarjet em 1954), este procedimento é realizado na Clínica Cirúrgica de Carcavelos da Joaquim Chaves Saúde de forma diferente, “por via artroscópica, sem abrir a articulação, com recurso a uma câmara e com pequenos orifícios de trabalho a que chamamos portais”. As complicações “são geralmente raras e pouco graves, não requerendo re-intervenções cirúrgicas, nem afetando o resultado final”. Quanto à recuperação, esta “consiste em um período curto de imobilização, seguido de um programa de reabilitação de aproximadamente quatro meses”.

© MC/GW | Foto: GW | PE

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s