NACIONAL DE BODYBOARD: ONDA DE SANTA CATARINA TRAZ NOVOS LÍDERES NO RANKING NACIONAL

Miguel Ferreira e Teresa Padrela foram os grandes vencedores da terceira etapa do circuito nacional de bodyboard que decorreu este sábado e domingo na emblemática onda de Santa Catarina, na freguesia do Cabo da Praia, Praia da Vitória, assinalando 10 anos depois o regresso da competição às ondas vulcânicas.

Os triunfos que colocam Miguel e Teresa na liderança dos respetivos rankings nacionais e que culminaram dois dias de grande espetáculo e até algum drama, ou não fosse a onda de Santa Catarina conhecida entre os surfistas e bodyboarders locais como a “Princesa Assassina”.

No último dia, Teresa Almeida, que terminou em quarto lugar, protagonizou mesmo o momento mais arrepiante do campeonato, quando, ao aterrar uma manobra, foi empurrada a alta velocidade contra as rochas que pontuam a laje de pedra vulcânica de Santa Catarina. Felizmente, a antiga campeã mundial ISA saiu do acidente apenas com contusões na coxa e um valente susto.

No que à parte desportiva diz respeito, o balanço do campeonato foi bastante positivo, com Miguel Ferreira a conquistar o seu primeiro título nacional open e a ascender à primeira posição do ranking, solidificando as suas pretensões ao título nacional. Ambição ainda mais alimentada pelo quarto lugar do atual campeão nacional Daniel Fonseca, o qual conjugado com o sétimo lugar da etapa anterior, na Figueira da Foz, vê-se praticamente arredado do título.

Quem, entretanto, se colocou na corrida foi o veterano Manuel Centeno. Com nove títulos nacionais, aos 41 anos, Centeno continua a dar dores de cabeça à concorrência e ficou em segundo lugar nesta final, à frente de Luís “Ben” Coelho, bodyboarder da Nazaré, que alcançou aqui a segunda final open da carreira.

No final, Miguel Ferreira mostrou-se bastante satisfeito com o resultado: “Foi um resultado muito positivo, consegui um segundo lugar [na Figueira da Foz] e um primeiro mas o trabalho não está feito, ainda falta a etapa final, em Supertubos. Espero apenas fazer boas ondas, divertir-me e, se tudo correr bem, ser campeão nacional. Mas não vou obcecado com isso.”

Na competição feminina, muitos motivos de interesse. Além do susto protagonizado por Teresa Almeida nas meias-finais, também houve drama para Filipa Broeiro. A atleta do Ericeira Surf Clube chegou à Praia da Vitória líder do ranking mas foi eliminada nas meias finais e teve de ver Teresa Padrela vencer de forma brilhante a competição, ascendendo ao primeiro lugar da corrida ao título nacional ainda na posse de Joana Schenker, entretanto eliminada no dia anterior, nos quartos de final e, portanto, arredada de qualquer possibilidade de revalidação do troféu.

Teresa Padrela venceu a final, Leonor Monteiro foi a segunda, Madalena Padrela em terceiro lugar e Teresa Almeida, claramente em dificuldade, a fechar o pódio.

Teresa está agora numa posição privilegiada para atacar a última etapa, Supertubos, e o título nacional. “Tinha o objetivo bem definido. Vim terça-feira para treinar esta onda em todas as condições e foram dias de muita concentração e de foco”, resumiu Teresa Padrela, acrescentando: “Desde o início do ano eu penso no título, queria que este ano fosse ‘o’ ano mas quero ir sem pressão para Peniche e depois logo se vê.”

© VERT-MAG | PE

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s