AUTÁRQUICAS 2021: PS/PRAIA DA VITÓRIA REFUTA PROCESSO DE RECOLHA DE ASSINATURAS PROPONENTES

Em comunicado publicado hoje na rede social Facebook, o PS/Praia da Vitória afirma que “não está em curso qualquer processo de recolha de assinaturas em nome do Partido Socialista”.

O PS/Praia da Vitória justifica a sua tomada de decisão com base em “algumas denúncias que chegaram à candidatura autárquica do Partido Socialista ao Município da Praia da Vitória sobre um processo de recolha de assinaturas para subscrição de uma candidatura onde é invocado que se trata de um projeto do Partido Socialista”.

Lamentando a “utilização abusiva e falsa do nome do PS para justificar qualquer processo de recolha de assinaturas”, o PS/Praia da Vitória reitera o seu foco na construção de um projeto autárquico “série e consistente”, que dê resposta aos “problemas dos habitantes” do concelho praiense, adiantando que as listas “serão entregues no tribunal esta semana”.

Na edição do passado dia 21 de julho, o matutino angrense “Diário Insular” noticiava que os vereadores Carlos Armando Costa, Tiago Ormonde e Raquel Borges ponderavam avançar com uma candidatura autárquica independente ao Município da Praia da Vitória. Nesse mesmo dia, em comunicado dirigido às redações, Carlos Armando Costa rejeitava liminarmente tal pretensão. “Não faço nem farei parte de qualquer solução independente para a Câmara Municipal da Praia da Vitória”, lia-se no comunicado.

Na edição do dia o seguinte, o jornal publicou a posição do atual vice-presidente da Câmara Municipal da Praia da Vitória, mas nesse mesmo articulado, assegurou que o vereador socialista Tiago Ormonde ponderava avançar com uma candidatura independente, possibilidade esta, e escrevia, que surgiu “ainda antes de Tibério Dinis ter renunciado à recandidatura à presidência da Câmara Municipal da Praia da Vitória”.

Publicamente esta notícia nunca foi até agora desmentida.

De acordo com a Lei, as eleições autárquicas admitem candidaturas independentes. Enquanto no caso dos partidos políticos constitucionalmente constituídos não é necessário a apresentação de assinaturas proponentes, no caso dos grupos de cidadãos é exigido um número mínimo de proponentes, que varia conforme o número de eleitores inscritos nos cadernos eleitorais de cada concelho. No caso do concelho da Praia da Vitória são necessárias  580 assinaturas para as candidaturas à Câmara Municipal e/ou à Assembleia Municipal, de acordo com os dados da Comissão Nacional de Eleições.

© PE

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s