A “CASA D’ELAS”

Alexandra Manes

Tomei conhecimento do projeto a “Casa D’Elas”, através de uma entrevista publicada num órgão de comunicação social escrita, da ilha Terceira e assumo que me interessei logo, pelo que procurei saber mais do mesmo.

Conheci a Presidente da Associação Marítima de Pesca e Aquicultura da Ilha Terceira (AMPA) que me falou, de forma entusiasta e genuína, acerca da “Cada D’Elas”.

No sentido de dinamizar a comunidade em que a AMPA se insere – freguesia de São Mateus – e de tornar esta associação mais independente de subsídios governamentais e auto sustentável, deu início ao projeto a “Casa D’Elas”.

Este projeto consiste na criação de um espaço de formação, de serviço de “takeaway” e com uma peixaria, que tem por objetivo criar novos postos de trabalho destinados às mulheres da freguesia em que se integra, pretendendo, desta forma, apostar na dinamização da comunidade feminina, bem como na sua ocupação, independência e valorização.

A freguesia de São Mateus da Calheta é uma freguesia piscatória açoriana, situada na ilha Terceira, no concelho de Angra do Heroísmo, que conta com cerca de 4000 habitantes.

Nesta freguesia encontra-se um porto de pesca, considerado o mais importante da costa sul da ilha Terceira e um dos principais pontos de descarga e primeira venda de pescado dos Açores, que conta com cerca de 40 embarcações dedicadas a esta atividade.

A população que habita em São Mateus da Calheta integra um grande número de desempregados, entre os quais, a maioria são mulheres. Este problema de desemprego tornou-se ainda mais acentuado nesta época de pandemia, sobretudo no público feminino, reforçando o facto de que esta é uma zona em que a precariedade feminina já ser acentuada.

Para que este projeto prossiga, é necessário um apoio de 158 mil euros e este parece ser o maior empecilho à sua concretização. A Presidente da AMPA não esconde a sua preocupação. Para além dos 150 mil euros já empregues na primeira fase de recuperação de uma casa, são também os sonhos, a entrega e dedicação a um projeto que visa uma intervenção direta, nesta freguesia.

Este é um projeto que combate a precariedade laboral e a desigualdade de género através da formação e da criação de oportunidades para a valorização das mulheres e merece toda a atenção do Governo Regional.

Certamente, 158 mil euros são uma “gota no oceano” para um projeto de uma dimensão tão grande.

Alexandra Manes
Deputada à ALRAA pelo BE

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s