CERCA SANITÁRIA EM RABO DE PEIXE PODE SER ALIVIADA ESTA SEMANA

O secretário regional da Saúde e Desporto admitiu esta terça-feira, em São Miguel, que a área da atual cerca sanitária em Rabo de Peixe pode ser restringida, tendo em conta que há na mesma localidade, uma parte da população cumpridora das normas, mas que está a ser penalizada pelo prolongamento da mesma.

“Está a ser ponderada a possibilidade de se restringir a área geográfica da cerca”, disse Clélio Meneses aos jornalistas, no final de um encontro que decorreu na Ribeira Grande, com agentes envolvidos na equipa multidisciplinar criada para intervir em Rabo de Peixe.

A reunião que decorreu nos paços do concelho na Ribeira Grande com os presidentes da Câmara Municipal e da Junta de Freguesia de Rabo de Peixe, Unidade de Saúde de Ilha, Instituto de Ação Social e Delegado de Saúde, teve por objetivo a avaliação da situação atual em Rabo de Peixe e a intervenção futura nesta localidade. Foi debatido o impacte da cerca sanitária e feita a avaliação de outras medidas de intervenção social e de acompanhamento, através da uma equipa multidisciplinar criada para o efeito. Na reunião estiveram também presentes o diretor regional da Saúde e o presidente da Comissão Especial de Acompanhamento da Pandemia.

O responsável pela pasta da Saúde e Desporto considerou que há circunstâncias especiais que levaram à implementação da cerca sanitária que “não são um castigo, punição ou uma pena. Contudo – referiu – estamos perante medidas sanitárias, de saúde pública e por isso estamos a avaliar esta medida tendo em conta que é essencial que se contenha esta pandemia”.

Clélio Meneses adiantou que Rabo de Peixe apresenta 1.000 casos por 100 mil habitantes, uma média 10 vezes superior ao nível de alto risco que é de 100 casos positivos ativos por 100 mil habitantes. “Perante um número destes temos de tomar medidas, e é o que temos feito”.

O governante sublinhou ainda que “as medidas estão a resultar porque a média tem vindo a descer nos últimos dias, e quando foram tomadas, essa média era de 2.000 casos por 100 mil habitantes. Está a descer, mas ainda está num nível muito elevado”. Clélio Meneses, fez questão de deixar claro, que os números vão ser determinantes para a decisão de decretar ou não, uma quarta semana consecutiva de cerca sanitária em Rabo de Peixe.

FISCALIZAÇÃO

Ainda esta terça-feira, o secretário regional da Saúde e Desporto reuniu, em Ponta Delgada, com os comandos regionais da GNR e da PSP. Segurança e fiscalização, no âmbito do estado de emergência, foram as principais questões em cima da mesa.

Em declarações à imprensa, o secretário regional referiu que a PSP considera “suficiente e adequado” o número de agentes no terreno para fiscalização do cumprimento das normas em vigor.

Questionado sobre a alegada brandura das forças de segurança, principalmente no caso da vila de Rabo de Peixe, sujeita a cerca sanitária, Clélio Meneses referiu que “o regime sancionatório existente é suficiente e adequado para fazer face a este problema”. E relembrou que está previsto o crime de desobediência para quem não cumpre, sendo que “já foram reportados casos ao ministério público, cerca de 11 casos em toda a Região para pessoas que não cumpriram o confinamento”.

Por fim, Clélio Meneses voltou a apelar ao cumprimento das normas por parte dos cidadãos, lamentando que haja pessoas com comportamentos ilícitos incorrendo em crime de desobediência, conscientes de que estão sujeitas a punição.

© SRSD | Foto: SRSD | PE

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s